Jump to content

EpsonLX575

Membro
  • Content Count

    5,538
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    80

EpsonLX575 last won the day on May 22

EpsonLX575 had the most liked content!

Community Reputation

641 Excelente

1 Follower

About EpsonLX575

  • Rank
    Membro Avançado
  • Birthday 02/04/1988

Informações de Perfil

  • Sexo
    Male

Recent Profile Visitors

4,950 profile views
  1. Capítulo Dois: A leoa de Brekkia. Reino de Samus. 02:45 Enquanto isso, longe de Brek e Armitrax, Mega havia sido escoltado junto a outros cavaleiros para uma das casas abandonadas, afim de falar com a capitã da quinta seção de Brekkia. Uma mulher incrivelmente simples e respeitada, mas extremamente metódica. Todos aguardavam num cômodo velho, cujos paredes estavam completamente mofadas e com vários buracos por onde se entrava o vento frio da noite. Os moveis podres foram afastados do centro para dar lugar a reunião. Não era segredo para ninguém que todos ali haviam falhado em suas obrigações e portanto estavam muito nervosos por terem que falar diretamente com uma capitã, mas serem afastados do resto da legião bem no meio da incursão ao reino de Samus era ainda mais estranho e Mega estava começando a ficar com medo por sua vida até que finalmente escutou a voz e viu a capitã entrando no local. Sua presença transmitia uma sensação absurda de dominância, como um leão entrando no mesmo lugar onde estavam ovelhas, mesmo os cavaleiros mais velhos corrigiam rapidamente a postura e ficavam nervosos. Ela vestia a mesma armadura que todos, como é comum da Ordem, mas assim como Brek e os outros capitães possuía um manto de seda escura que cobria toda sua vestimenta. Em suas costas havia sua arma de escolha: Uma lança. Feita de madeira negra e metal esverdeado, do mesmo tamanho que a própria capitã e com uma ponta de lâmina em cada extremidade. Ela estava sem capacete e podia-se ver claramente seu rosto moreno e seus olhos azuis. Ao contrário de muitas outras cavaleiras, que ainda cultivavam o cabelo como uma ultima vaidade pessoal neste mundo, a capitã era careca por escolha, pois no passado durante uma vigília de proteção, o inimigo conseguiu puxá-la pelo cabelo e tira-la de combate. Conseguindo assim matar todos que estavam sob sua proteção. Desde então, ela não permite mais seu cabelo crescer como uma forma de punição própria e de que nunca mais algo sem valor possa custar uma vida inocente. — Digam, em alto e bom som, sabem que eu sou? - disse enquanto sondava os outros e nenhum detalhe parecia lhe escapar e logo fez um sinal com a cabeça indicando para dois cavaleiros, os que haviam reunido os outros cinco, saíssem do local. Sua voz era fria e metódica. — Sim, senhora. - gritaram todos. — Ótimo! Antes do verdadeiro assunto, tenho uma punição para aplicar - ela se vira para o cavaleiro mais ao canto — Você. O vigia... Correto? — Sim, senhora! - o homem estava prestes a se mixar. — Você foi pego dormindo. Mesmo avisado e mesmo sabendo o nível de ameaça, ainda assim voltou a ser pego dormindo e colocando a vida de todos os seus em perigo. Você tem algo a declarar? - antes mesmo que o cavaleiro pudesse falar qualquer coisa a capitã arremessa sua lança a uma velocidade monstruosa e acerta em cheio a cabeça do cavaleiro, empalando-o na parede! — Vejo que não existe desculpas. - conclui a capitã friamente e amedrontando completamente todos presentes. — Agora, ainda que não tenha sido revelado a toda Ordem, vocês podem por favor me explicar como não conseguiram impedir o traidor se ele estava com tão poucos homens ao seu lado?! A tensão era tamanha que ninguém conseguia se mover. "Isso não é uma mulher! É um monstro!" pensavam eles, mas Mega vendo a possibilidade de se sair por cima já estava prevendo diversas maneiras de levar a conversa e talvez, com um pouco mais de maestria, cair nas graças da capitã. — Minha senhora! - disse Mega tremendo, mas com o ego tão inflado que conseguiu encarar a capitã furiosa e disfarçar — Eu estava prestes a levar o coração, mas seus homens - referindo-se diretamente e inclusive apontando para os outros cavaleiros - iniciaram o ataque muito antes de eu dar o sinal que tínhamos combinado entre nós. — Jovem, qual o seu nome? - diz a capitã. — Mega, senhora! — Muito bem, Mega. Preste bem atenção agora: Feche! O seu! Cuzinho! - imediatamente a lança se desprende do cadáver empalado na parede e flutua ameaçadoramente até Mega. — Não havia nenhum sinal planejado, não havia nenhuma outra ordem que não fosse impedir o traidor, Brek e seus homens, de ficarem com o coração! - enquanto grita a ponta da lança se aproxima ainda mais da cabeça de Mega Neste instante um outro cavaleiro surge a entrada do cômodo e chama pela capitã, alertando-a. — Minha senhora, estão todos aqui. A capitã para e da sinal de que entendeu, fazendo o cavaleiro ir embora e então mais uma vez observa todos, mas desta vez com muito desgosto do que via. — Muito bem, se ninguém mais quiser dar uma de machão e mentir na minha cara, se ainda houver algum homem de verdade entre vocês que consigam honrar o carregam entre as pernas e que respeitam o juramento que fizeram, então engulam a porra do orgulho e me sigam! - Imediatamente a lança voa até as costas de capitã e repousa novamente, então ela sai do local. Os cavaleiros caem no chão, alguns começando a chorar baixinho, outros a se mijar de medo, mas Mega com a cabeça a mil por hora não consegue respirar com facilidade, olha para as mãos trêmulas e trata de tirar o capacete, deixando-o cair no chão. Estava pálido e com rosto magro, seu cabelo baixo, raspado, estava cheio de cabelo branco e definitivamente nasceria mais depois de hoje, pois ele sabe que ela esta certa e depois de tudo pelo o que ele já passou e venceu, não será porra nenhuma de medo que ira deixa-lo idiota novamente! Então, abandonando seu capacete como uma mascará velha, Mega parte atrás da capitã. No lado de fora, numa enorme praça, havia dezenas de cavaleiros e cavaleiras amontoados o que pegou Mega de surpresa, pois não havia como imaginar tantos assim reunidos subitamente. Todos eles acompanhavam sua escolhida, pois essa era a lei: "Que o aprendiz e ninguém mais, escolha o mestre de seu caminho. Que o mestre e ninguém mais, seja a tortura do aprendiz e que as cicatrizes conquistadas sejam o orgulho de ambos. Eternamente." A capitã seguia até uma fonte retorcida e enferrujada para ganhar terreno elevado e assim melhor visibilidade, mas não com a intenção de que todos a vejam, mas sim para que ela pudesse olhar para todos claramente e sem dificuldade. — Prestem atenção! - diz gritando, para todos ouvirem — Logo o inimigo chegará! No inicio da manha o céu estará infestado com esses vermes, mas prestem atenção em minhas palavras! Lembrem-se, que aos doze anos de idade, todos aqui fizeram um juramento! Nós tornamos muito mais do que carne e sangue! Nós somos o aço da espada, somos o escudo e a muralha! - o povo grita em apoio, concordando com cada palavra — Que hoje estas ruas se encharquem com nosso suor e que estas ruinas sejam testemunhas de nossa fúria! - a capitã puxa sua lança e com ela em mãos indica o céu à leste — Eles destruíram nossas terras e despedaçaram nossas famílias, MAS AINDA ASSIM NÃO APAGARAM A CHAMA QUE É NOSSA ALMA! POIS NÓS SOMOS OS FILHOS E FILHAS DA ORDEM! SOMOS OS SERVOS E SERVAS DO PROGRESSO! SOMOS AS MÃOS DE DEUS E ELE ESTÁ PUTO DA VIDA COM ESSES DESGRAÇADOS! - todos gritam vibrando suas armas para cima — AGORA, NESTE DIA, RESGATAREMOS ESTAS TERRAS E PLANTAREMOS A SEMENTE QUE ASSEGURARÁ O FUTURO MAIS BRILHANTE QUE PODE EXISTIR! Todos gritavam em favor dela como poucos na vida já viram. Entoando seu nome como um cântico e afastando todo o medo e mal que um coração humano pode sentir! "MARESSA!" gritavam.
  2. Prometo 1 ou 2 capítulos por semana.
  3. Postagem reservada.
  4. RPG Fechado: Só eu posto. Alta fantasia: Mundo próprio com criaturas fantásticas. Mundo adulto: Conteúdo 18+ é explorado. Mundo cruel: Inimigos tendem a serem mais fortes que os jogadores. Tópico para discussão e comentários de A Forja de Almas. Aqui você também encontrará mais informações sobre os personagens e o mundo. ****** Personagens ---- Planisfério ----
  5. Dedico este BrekPG a minha esposa, que é minha melhor amiga e minha verdadeira diva. Capítulo Um: De volta ao lar. Reino de Samus. 22:35 da noite. Na varanda, nu e em silencio, ele continua observando as ruas do reino e mesmo desta distancia olha cada local com cautela, pois do alto de seu enorme castelo cinza as avenidas e praças parecem apenas rios finos perdidos em meio aos telhados velhos de telha ou lona. Nesta noite em especial o céu está sem lua, mas claro o suficiente para seu rei observar tranquilamente. Sem nem mesmo se importar com o vento frio da noite o que para muitos seria de congelar a alma, porem ele a muito não se importa mais ou que o vejam nu em seu castelo olhando para baixo como um louco. A verdade é que seus cidadãos, seus irmãos e compatriotas já não se importam mais. Todos foram mortos, um a um, por seu rei. Brek, como é conhecido o capitão por ser altamente patriota, permanece escondido por um manto de seda escura que encobre toda sua armadura e ao lado da sombra de um pilar ele olha diretamente para o castelo, mas não para o rei e sim suas janelas, suas torres e sua base. Estudando meticulosamente, principalmente a posição de cada janela até que finalmente volta o olhar para o outro lado da rua, onde seus companheiros o aguardam. Um grupo pequeno, mas facilmente manejado e o mais importante, Fiel a bandeira de Brekkia, pois hoje ele precisará muito mais do que simples coragem. Então parte em direção deles, enquanto segura a respiração e desaparece como uma miragem, se desfazendo no ar graças a seu manto, na verdade um item extremamente valioso e cobiçado, possui um raro encantamento que permite qualquer um sumir como um fantasma quando se desejar. Os cavaleiros de Brekkia aguardavam em silencio tenebroso a volta de Brek: Turbus, o mais velho, carregava duas enormes bolsas de poções, uma na frente e uma nas costas e estava muito ansioso. Armitrax, o segundo em comando, continua impaciente enquanto observa Turbus. Mega mais ao fundo desaprovava Sensui, o único sem capacete pois estava rezando baixinho. Todos eles trajavam a mesma vestimenta de couro escuro, bem arranhado e bastante costurado, como um manto de guerra enquanto que suas mãos e antebraços eram protegidos por luvas de metal velho e arranhado. Seus capacetes também eram idênticos entre si e do mesmo metal que as luvas, mas de aparência quadriculada, com varios furos para respiração no metal da frente e duas aberturas frontais, bem avantajadas, para os olhos. Foi neste momento que Brek como um fantasma surgiu na frente de Armitrax e escutou Sensui dizer "Amém"... Por puro instinto Armitrax ergue sua espada, Brek puxa Turbus e uma imensa mão pálida arranca a parede posterior junto com a cabeça e metade do corpo de Sensui, enquanto a imensa criatura pálida e nua se revela sorrindo: O rei louco! Mega arremessa duas adagas contra o monstro, ambas atravessando o sorriso amarelado do monstro — ETÉREO! - grita Mega e imediatamente Turbus joga uma pequena garrafa com liquido incolor para cima e Brek a destrói com uma flecha espalhando a substancia no ar e revelando um arco curto feito em madeira negra e metal esverdeado, fazendo o rei gritar loucament! Armitrax furiosamente se jogar contra o monstro acertando-o em cheio no peito, derrubando-o e dando tempo para Mega enlaçar a cabeça do monstro com arame farpado branco, ancorando o rei louco na forma física tempo suficiente para Armitrax esquecer a espada maior cravada no peito do monstro e puxar duas espadas curtas para arrancar o coração da criatura no próximo ataque! Brek atira duas flechas em sequencia e diretamente na cabeça do monstro, mas o ataque de Armitrax ainda falha: O rei louco abre sua imensa mão na frente e sem hesitar deixa Armitrax cravar as laminas nela! O cavaleiro rapidamente as abandona, saltando para trás para evitar o agarrão selvagem que vai até Mega e o pega pela coxa, erguendo-o como um boneco e jogando-o contra Turbus! Brek se prepara para disparar novamente contra a cabeça da criatura, mas imediatamente se abaixa, Armitrax se joga no chão junto a Mega. Turbus que estava em pé, tem suas pernas dilaceradas do corpo em uma fração de segundo, pois o rei louco havia se soltado e usado o arame como chicote laminado! — RECUAR! - Grita Brek disparando flechas em sequencia contra o monstro. Armitrax passa correndo seguido por Mega, enquanto Brek olha uma ultima vez para o corpo morto de Sensui e encara Turbus, seu próprio irmão e vai embora sem dizer nenhuma palavra. O rei louco ri baixinho enquanto se levanta e começa a se aproximar de Turbus. Apesar de sua aparência bestial sua voz era como a de um aristocrata — Parece que você é o próximo, mas não tenha medo, pois... - foi então que o monstro percebeu: Mesmo jogado na poça do próprio sangue, Turbus não estava com medo. Pelo contrário! O cavaleiro olhava diretamente nos olhos gélidos do monstro e foi neste momento que Turbus, ansioso, tirou seu capacete e o rei louco ficou sem ar ao ver quem era aquele cavaleiro! — Aos doze anos eu fiz meu juramento e hoje, meu pai, TE ENTREGO REDENÇÃO! - Turbus então estoura um frasco maior em sua bolsa dando inicio a uma reação em cadeia com todas as poções que trazia e criando uma explosão de fogo gigantesca! Preenchendo todo o lugar instantaneamente e acertando em cheio o rei louco, rasgando seu corpo completamente e atirando-o para fora, na rua, onde Brek, Mega e Armitrax aguardavam e agora observam o que resta da criatura: Uma forma dilacerada e distorcida, sem as pernas e com apenas um cotoco de braço em um meio torso, aberto e flamejante com os ossos para fora, mas ainda assim com um coração pulsante e vivo o suficiente para mesmo nessa condição tentar se arrastar pelo chão para fugir. — Mega, Pegue o coração. - diz Brek ríspido enquanto enquanto observa o palácio. - Ainda temos muito o que fazer aqui! Mega se adianta, pisando na coisa que antes era o rei louco e rapidamente, mas com desgosto, arranca fora um enorme coração verde como musgo, mas que ainda batia monstruosamente e incessantemente na mão do cavaleiro. Suas veias soltas deliberadamente querendo se enroscar cada vez mais nos dedos de Mega. — Aqui. - disse Armitrax revelando uma caixa do tamanho de uma caixa de sapatos, mas feita completamente de metal e Mega tão logo enfiou o coração no fundo apertado e apressadamente se soltou completamente para fechar a tampa da caixa. Tão logo o coração foi aprisionado, ao mesmo tempo a neblina densa que recobria completamente a cidade começou a se dissipar, revelando de fato o reino de Samus, com ruas cobertas de cadáveres podres, esqueletos jogados nos cantos das casas e nos beirais das janelas, animais mortos e podres ainda acorrentados nas entradas de algumas casas e ossos menores, de crianças, espalhados nas praças. — Sem seu pai... - Mega fez uma pequena pausa. — ...não a mais nada ancorando o mal neste lugar, então possivelmente os outros já estão se adiantando na base da praia. Seria primordial levarmos "isto" - referindo-se ao coração na caixa com Armitrax- de volta a Brekkia e... — Não. - Disse Brek interrompendo — Vamos continuar rumor ao palácio. — De acordo - diz Armitrax — Tem algo muito errado aqui. — Vocês ficaram malucos? - Argumenta Mega, mas é interrompido por um sinal da mão de Brek. — Tem alguma coisa podre aqui! Por alguns segundos ninguém fala até que Armitrax sussurra: — Seis. - e caminha até Mega, que estava se preparando para puxar algumas adagas de arremesso do cinto em sua coxa. — AGORA! - grita Brek se jogando no chão, desviando por pouco de duas flechas e atirando outras duas de volta para a exata localidade de onde o ataque inimigo veio! Armitrax e Mega aceleram na frente correndo loucamente de um inimigo desconhecido até que Armitrax olha para trás e não vê mais Mega em seu encalço! — PORRA! - grita mentalmente e espera que Brek dê algum sinal e ele surge: Um assobio fino, mas o suficiente para parecer um pardal. Imediatamente Armitrax para, desliza no chão de pedra e gira sobre seu próprio peso e calcanhar para disparar na direção contraria! Não era Brek! Brek nunca faz "parecer", como o mesmo dizia, ou se faz bem algo bem feito ou não se faz! O desvio de Armitrax acaba salvando sua vida quando doze flechas atravessam a praça, vindas da casa abandonada mais alta e imediatamente Brek surge, novamente como um fantasma a alguns metros a frente, graças a seu manto. Ele faz sinal para Armitrax: Apontando para cima. O cavaleiro sabe muito bem o que é isso e se joga para a direita, em direção a um beco, caindo em cima de vários esqueletos ao chão, no mesmo instante que Brek ergue o arco para cima, e quase quebrando os dedos da mão lança 3 flechas pesadas e acessas, recheadas de pólvora especial que explodem em um clarão absurdo dando tempo para Brek ir atrás da direção que foi Armitrax e os dois partirem juntos rumo ao castelo, cruzando becos fechados e chegando finalmente na frente de um grande portão de metal, o inicio do jardim do castelo! — Cade Mega?! - fala rápido Brek, procurando uma falha já conhecida no grande portão, por onde passava escondido em um passado que por mais que tente não consegue esquecer.— Já era! - responde Armitrax completamente sem folego, mas que logo se vê puxado por Brek para uma vala de esgoto que seguia rente ao portão. Caindo na lama e deslizando por dentro da mata do jardim por alguns segundos até finalmente acertarem em cheio um cavalo morto ainda preso à carroça, que havia caído na vala e ficado preso. O impacto foi tão grande contra a barriga podre e inchada do animal que explodiu jogando tapurus e outros parasitas decompositores para todos os lados! Com certa dificuldade a dupla se levanta completamente suja e fedida e Brek aproveita para tirar o capacete e olhar com cuidado para ver se alguém ainda estava seguindo de perto. Seu rosto estava mais pálido que o comum e com uma nova cicatriz que Armitrax não reconheceu, indo do pescoço até a orelha esquerda e continuando até o cabelo preto a esconder. — Alguém? - Questiona Armitrax ironicamente enquanto tira uma grossa camada de lama e carne podre das mãos. — Não... espero que não. - responde Brek sem confiar muito no que fala. — Que diabos aconteceu lá? Eram dos nossos?! - Argumenta Armitrax sobre a possível identidade do inimigo. — Não tenho dúvida! - responde Brek. — Mas temos que ir, não quero ficar só com você para ouvir o que eles tem a dizer. - Armitrax concorda com a cabeça, seria de fato suicídio. Como uma dupla de coelhos se entregando de boa para toda uma alcateia de lobos. — Então, qual o plano? Não podemos voltar e seguir para a base na praia sem sermos vistos. - Indaga Armitrax — Não. Ainda temos algumas horas antes do nascer do sol, mas não o suficiente para voltar a praia sem saber quem é amigo e inimigo. Então... - Brek para por um instante e coloca o capacete novamente. Tenta de todas as formas traçar um caminho conhecido de volta ao litoral, mas todos eles passam por pontos já conhecidos pela ordem como perigosos demais para qualquer grupo, quanto mais para duas pessoas. — Certo. Vamos seguir pelo jardim até encontrar o segundo portão e voltar a cidade, de lá seguimos para a cidade baixa. Cheque seu equipamento. Armitrax não tinha certeza se esse era o melhor caminho, mas acreditava em seus instintos e principalmente em Brek. — Muito bem, vamos lá! - disse Brek.
  6. Excelente jogo, Mega! Estou atualmente jogando MK10 e MK11.
  7. Imagina a cena do cidadão explicando ao policial que passa todo dia e vê o coitado do cachorro sem espaço nenhum para nada e só lá... calado e triste.
  8. Lista de mudanças e/ou correções: Fixed an issue that was causing loot to drop for javelins other than the one being used. Addressed a number of issues that could occasionally cause Nvidia highlights to crash. Fixed an issue that was causing Elysian Cache items to not appear until completing another activity or restarting the game. The newsfeed will now properly show content again upon launching into the game. Fixed an issue that was causing Ursix and Titans to not spawn as frequently in Freeplay. Fixed an issue that would cause the screen to shake when enabling DLSS and turning off motion blur. Fixed an issue that would sometimes cause players not to be able to interact with Owen, or hear his audio at the end of the Legendary version of the mission “Finding Old Friends”. Titans, Ursix, Luminaries and Fury enemies should no longer disappear when another player starts an Event in Freeplay.
  9. A editora Idea Factory International e a desenvolvedora Preapp anunciaram o Neptunia Shooter, um shoot-em-up com temas da Neptunia que será lançado para PC via Steam em 2019, com opções em inglês e japonês.
  10. Parece... baseado nos goblins de Diablo 3.
  11. Interessante, mas uma pena eles fugirem até hoje de um AC baseado na mesma época que Rurouni Kenshin foi baseado.
  12. Visualmente ficou melhor do que o esperado! Agora é esperar para ver a jogabilidade.
×
×
  • Create New...