Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Sensui

Filmes da Semana

Recommended Posts

Revivendo um tópico antigo (de criação do Shoomps, se não me engano) onde o objetivo é comentar sobre os filmes que assistimos nos últimos dias. Sempre que possível tentemos dar nota para rankear.

Como estou de férias, sem PC e videogame, a carga tem sido alta.

Antes que o diabo saiba que você está morto

English%20DVD-Before%20the%20Devil%20Kno

De elenco o filme é soberbo: Philip Seymour, Ethan Hawke, Marisa Tomei e por aí vai.
É basicamente sobre como uma idéia idiota para conseguir dinheiro vai fuder com a vida de toda uma família.
O filme é pouco linear, denso e sujo. É uma abordagem diferente de um roteiro que você poderia ver filmado de forma mais hollywoodiana em outras mãos.

Bonus: O filme tem a Marisa Tomei pelada em mais cenas que em O Lutador. Eu amo essa mulher.

Muito bom.

Nota: 8,5


--------------------------------------------


Juízo Final

doomsday_movie_poster2.jpg

É uma tentativa falha de reviver filmes como Mad Max numa roupagem si-fi new generation de Resident Evil.

O filme tem problemas de interpretação, efeitos, roteiro e, principalmente, ambientação. Joguem 30min de Fallout 3 ou assistam MadMax 2, em seguida coloquem Juízo Final no DVD e contemplem o quão falho o tal Neil Marshall foi em passar o clima pós-apocalíptico de sua intenção.

E pasmem, do meio pra frente ele teve a idéia idiota de misturar tudo com um ambiente medieval, aí vem a trasheira.

O roteiro: vírus destroe a escócia. A inglaterra isola a escócia. 30 anos depois o vírus retorna na Inglaterra. A solução é mandar alguém pra escócia pra descobrir a cura.

Nota: 3,0

--------------------------------------------

Wyatt Earp

300px-Wyattearpposter.jpeg

Me deparei com esse filme na HBO e vendo a sinopse não pude deixar de conferir. Porra, Kevin Costner, Dennis Quaid e Gene Hackman num Western? Como eu nunca tomei conhecimento desse filme? A explicação veio na primeira das longas 3 horas de duração: o filme é ruim.

É arrastado, enfadonho, sem sal, lento (alguém tem mais um sinônimo pra chato?) e nem chega a arranhar o potencial que um elenco desse nível tinha. Ficam lá perdidos num roteiro que não consegue passar senso de evolução ou urgência.

Você acompanha desde o início um fogo ideológico dentro do personagem principal do Costner que é subestimado durante todo o filme. Porra, antes tivessem aberto mão dos tiroteios sem emoção e gastassem a (longa) duração trabalhando melhor o personagem. O corte final para anos a frente, sem agregar porra nenhuma, só ajuda a sensação de "tomaram 3 horas da minha vida".

O título é o nome de um dos xerifes mais famosos dos Estados Unidos, e o filme é sobre sua vida. Ponto.

Nota: 4,0

--------------------------------------------

Heróis

pushposter-440x647.jpg

Tô farto de comentar de filmes ruins e quem vai pagar o preço é Heróis (Push no original, bem melhor, aliás).

Vem tentando beber da fonte de filmes de super-heróis (apesar de não se basear em HQ alguma) numa proposta de salto alto: apresentar um universo enraizado onde humanos desenvolvem poderes. O salto alto se refere ao enraizado.

Isso porque o filme arranha toda uma estrutura dos prodígios pelo mundo, com "n" classes de acordo com os poderes (pushers, watchers, stitchers e por aí vai) e todo um background de geração de prodígios, organizações, drogas e tudo mais que estou sem saco de falar.

Eu poderia dissertar sobre os erros mais graves, e traçar relação com outro filme que tentou (e pecou) na mesma abordagem, Jumper, mas não o farei.

É de mediano pra ruim e aproveita pouco o potencial. O salto alto se manifesta mais uma vez no pífio final que se achou no direito de terminar aberto pra puxar uma continuação (é quase estilo Senhor dos Anéis, falo sério).

Nota: 5,5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
poster.jpg

Na Natureza Selvagem

Bom. Baseado em fatos reais, narra a história de um jovem que decide largar tudo e sair por aí, pelo mundo, vivendo. Destino final: Alaska.

Queria que o filme fosse menos mastigado, mas ainda assim é legal. Pra quem quer fomentar um debate existencial é um prato cheio, o bônus fica em conhecer a história de um jovem MUITO atípico.

Nota: 7,5
  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Há semanas não ia ao cinema, dados os pastelões e infantis em cartaz. Mas ontem me surpreendi com "Avatar". A direção de James Cameron é fabulosa, os efeitos WETA (atuação humana com sobreposição digital) não forçam nada, apenas engrandecem a temática, que no caso é a "conexão" do homem com a natureza.

O roteiro tem de tudo um pouco: superação do corpo pela mente, irmão que segue os passos do outro, estética moderna, um gostoso tempero de RPG, amor ingênuo, guerra de espécies, futurismo trágico, como também cenas de mera contemplação, coisa rara no cinema atual de explosões, diálogos grosseiros, etc.

As atuações de Sigourney Weaver e Sam Worthington me agradaram, só o coronel vilão que achei bem cliché. E para quem não curte dublagem como eu, digo que assisti dublado, pois fui com minha esposa que não gosta de legendas, e me agradou a tradução informal e bem humorada que fizeram. Palmas para os estúdios de dublagem que estão deixando de ser "quadrados"!

Fui a uma sala pequena, mas a dublagem já era em Dolby 5.1, o que a deixou com mescla perfeita, superando o antigo problema da voz que obscurece sons de fundo. Aos fãs de 3D, há várias salas exibindo. Na rede Severiano Ribeiro o 3D sai a R$17 meia-entrada, benefício que tive por ter Itaucard.

Edit para nota: 7,5.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Outro que comprei há semanas, mas recomendo, é a coprodução hispano-argentina "O que você faria?", sobre o mundo corporativo, onde candidatos a um emprego mergulham numa dinâmica de grupo meticulosa e abusiva.

O filme se passa 95% dentro da sala da empresa, em Madri, propositalmente alienada dos protestos anti-globalização que ocorrem nas ruas. As personagens, ao modo de "12 Angry Men", vão se revelando e oscilam, mudando de opinião influenciados pelos mais astutos.

Roteiro sagaz, baseado em peça teatral, sobre a baixaria e competitivade do mundo atual. O imdb dá 7,5. Eu dou 8,5 para esta obra-prima, sobretudo pela atuação impecável de Eduardo Noriega e Adriana Ozores. O final é previsível e melancólico, mas instiga reflexões.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Por que baixou a nota do filme, FG?

Bem... Que posso dizer? Há spoilers abaixo.

E, tem de ter um coração de pedra pra não ficar emocionado em pelo menos umas 10 cenas no filme, seja a a hora que  Tsu'Tey descobre que Sully "copulou" com a prometida dele ou a morte do mesmo Tsu'Tey, sério, fiquei com maior pena dele, é o personagem trágico da trama. Mas voltando Às cenas, quando Sully voa pela primeira vez, ou quando é caçado pelo monstrão... Quer dizer, tem horas que vc se esquece e sente como se estivesse no filme, isso não tem preço! e compensa de sobra os pontos negativos!Por outro lado, toda a parte da guerra me pareceu um desperdício total de tempo e recursos... Curiosamente eu adoro cenas de guerra e batalha, mas em Avatar, elas tem sua justificativa, mas são tão mal conduzidas que doem.É o velho lance dos quadrinhos, quando Magneto (ou qualquer vilão poderoso) está contra os heróis, ele é invencível, todos tem de lutar e contar com um trunfo em cima da hora para poder vencê-lo e assim mesmo ele foge e os heróis não tem forças para perseguí-lo. Basta ele passar para o lado dos mocinhos, pra ele perder 90% de seu poder, 89% de sua inteligencia e todos os seus contatos e recursos. Por um lado é bom que ele fica no mesmo nível dos heróis, por outro... Qual a graça de se ter o super vilão do lado dos mocinhos se ele vira um banana?No filme, não se trata de um supervilão, mas da ameaça militar... Oras... Os tópteros são bonitos quanto design, mas putz, 100 anos no futuro e os helicópteros são tão frágeis - senão mais - que os atuais? E que droga de exército é aquele apenas uma nave-mãe e 30 tópteros? Eu que sou civil bolaria estratégias mais inteligentes que a dos soldados de elite da Terra.E, será que Sully, sendo ele mesmo um ex-marine, não teria idéia menos imbecil que sair atacando os tópteros com nativos armados com lanças e flechas não? De cara eu já vi que ao ver os tópteros passando entre as montanhas, bastava cada "cavaleiro banshee" já cair da montanha com um pedrão e jogar nas hélices... Muito menos mortes do lado dos nativos e um massacre dos humanos malvados.Os clichés eu fico dividido.Não há, na verdade, muitos filmes originais. Harry Potter é clone de Timothy Hunter do excelente Mundos da Magia, mas ele mesmo bebeu de diversas outra fontes, mesmo que abordagem seja original, a história não é. Então, o filme ter tantos clichés não é exatamente demérito, é algo do processo. E em algumas cenas mesmo sendo clichés, vc fica na dúvida se realmente outra solução seria melhor, mesmo por que, talvez a solução acabasse sendo também cliché.Por exemplo, na luta final entre Sully e o corenel, eu torcia pro coronel matar o corpo humano de Sully e, misteriosamente, o corpo na'vi voltar à vida, simbolizando que a alma de Sully realmente havia se tornado uma com o planeta... Mas putz, meu desejo seria praticamente o que vimos em Matrix, ou seja, outro cliché.Acho que o que realmente me deixou triste foi ver que Avatar é um remake espacial de Pokahontas, da Disney. Obra essa, baseada numa história real...

Assisti o filme ontem. Saí do cinema com dois sentimentos em igual pedida. Por um lado eu tinha passado 3 horas totalmente entretido, fiquei maravilhado com a flora de Pandora e a geografia fantástica desse mundo. Toda a história inicial, do cara se envolvendo com os Na'vi foi fabulosa e muito bem contada, de forma que não ficou artificial nem pareceu forçado.
























Então, apesar de eu ter falado mais da parte negativa, Avatar é um filmão. Melhor fácil fácil entre todas as super-produções de 2009, seja pela carga dramática, pela evolução do modo de fazer cinema, seja pelo visual maravilhoso e só peca de verdade pela história pouco original num sentido mais amplo.

Bem, nota 10 para a emoção que o filme passa.
Nota 10 para o visual imaginativo de Pandora.
Nota 10 para a computação gráfica.
Nota 7,5 pra primeira parte da história.
Nota 5 para a segunda parte da história.

Média: 8,5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Por que baixou a nota do filme, FG?

Bem... Que posso dizer? Há spoilers abaixo.

E, tem de ter um coração de pedra pra não ficar emocionado em pelo menos umas 10 cenas no filme, seja a a hora que  Tsu'Tey descobre que Sully "copulou" com a prometida dele ou a morte do mesmo Tsu'Tey, sério, fiquei com maior pena dele, é o personagem trágico da trama. Mas voltando Às cenas, quando Sully voa pela primeira vez, ou quando é caçado pelo monstrão... Quer dizer, tem horas que vc se esquece e sente como se estivesse no filme, isso não tem preço! e compensa de sobra os pontos negativos!Por outro lado, toda a parte da guerra me pareceu um desperdício total de tempo e recursos... Curiosamente eu adoro cenas de guerra e batalha, mas em Avatar, elas tem sua justificativa, mas são tão mal conduzidas que doem.É o velho lance dos quadrinhos, quando Magneto (ou qualquer vilão poderoso) está contra os heróis, ele é invencível, todos tem de lutar e contar com um trunfo em cima da hora para poder vencê-lo e assim mesmo ele foge e os heróis não tem forças para perseguí-lo. Basta ele passar para o lado dos mocinhos, pra ele perder 90% de seu poder, 89% de sua inteligencia e todos os seus contatos e recursos. Por um lado é bom que ele fica no mesmo nível dos heróis, por outro... Qual a graça de se ter o super vilão do lado dos mocinhos se ele vira um banana?No filme, não se trata de um supervilão, mas da ameaça militar... Oras... Os tópteros são bonitos quanto design, mas putz, 100 anos no futuro e os helicópteros são tão frágeis - senão mais - que os atuais? E que droga de exército é aquele apenas uma nave-mãe e 30 tópteros? Eu que sou civil bolaria estratégias mais inteligentes que a dos soldados de elite da Terra.E, será que Sully, sendo ele mesmo um ex-marine, não teria idéia menos imbecil que sair atacando os tópteros com nativos armados com lanças e flechas não? De cara eu já vi que ao ver os tópteros passando entre as montanhas, bastava cada "cavaleiro banshee" já cair da montanha com um pedrão e jogar nas hélices... Muito menos mortes do lado dos nativos e um massacre dos humanos malvados.Os clichés eu fico dividido.Não há, na verdade, muitos filmes originais. Harry Potter é clone de Timothy Hunter do excelente Mundos da Magia, mas ele mesmo bebeu de diversas outra fontes, mesmo que abordagem seja original, a história não é. Então, o filme ter tantos clichés não é exatamente demérito, é algo do processo. E em algumas cenas mesmo sendo clichés, vc fica na dúvida se realmente outra solução seria melhor, mesmo por que, talvez a solução acabasse sendo também cliché.Por exemplo, na luta final entre Sully e o corenel, eu torcia pro coronel matar o corpo humano de Sully e, misteriosamente, o corpo na'vi voltar à vida, simbolizando que a alma de Sully realmente havia se tornado uma com o planeta... Mas putz, meu desejo seria praticamente o que vimos em Matrix, ou seja, outro cliché.Acho que o que realmente me deixou triste foi ver que Avatar é um remake espacial de Pokahontas, da Disney. Obra essa, baseada numa história real...

Assisti o filme ontem. Saí do cinema com dois sentimentos em igual pedida. Por um lado eu tinha passado 3 horas totalmente entretido, fiquei maravilhado com a flora de Pandora e a geografia fantástica desse mundo. Toda a história inicial, do cara se envolvendo com os Na'vi foi fabulosa e muito bem contada, de forma que não ficou artificial nem pareceu forçado.
























Então, apesar de eu ter falado mais da parte negativa, Avatar é um filmão. Melhor fácil fácil entre todas as super-produções de 2009, seja pela carga dramática, pela evolução do modo de fazer cinema, seja pelo visual maravilhoso e só peca de verdade pela história pouco original num sentido mais amplo.

Bem, nota 10 para a emoção que o filme passa.
Nota 10 para o visual imaginativo de Pandora.
Nota 10 para a computação gráfica.
Nota 7,5 pra primeira parte da história.
Nota 0 para a segunda parte da história.

Média: 7,5


Não baixei a nota. Dei 7,5 pro Avatar e 8,5 pro outro filme.
Discordo que o final do filme seja nota 0. De que outra forma poderia terminar? O filme tem quase 150min e passa voando. E nem comi pipoca durante pra matar a ansiedade.

Aqui ele aparece como 5º melhor do ano.

Aqui outra matéria sobre Avatar.

Outra coisa: o herói não se limita às forças Na'vi. Ele rouba armas de fogo, monta o Taruk, ave super feroz rara de se montar, bem como coloca Ewya e a natureza a favor dos clãs como nunca antes os nativos haviam feito.Dizer que o exército humano é limitado é pura besteira, Goris. Não se trata de um país, mas de uma empreiteira, que para possuir aquela nave-mãe que lança milhares de mísseis já teria que ter a grana de umas quinhentas Odebrecht (construtora brasileira).Duas possíveis mensagems do filme são:- Até um aleijado pode fazer a diferença;- O corpo humano de Jake é a esperança de que vamos mudar. Se ele encarnasse Na'vi, com a Dra. Grace morta e os demais ficando em Pandora, simplesmente a escória humana teria voltado pra Terra "sem verde" e ninguém daria início a uma humanidade melhor em Pandora. A mesma mensagem de "O Dia em que a terra parou", onde o prêmio Nobel clama por uma chance ao Klatu, para que os homens se redimam em conservar a Terra.

Quanto ao seu spoiler, Goris, vc definitivamente precisa de boas noites de sexo. Cara, criticar o filme por ter algo de indigenista (Pocahontas) e guerras "mal conduzidas", como se houvesse alguma receita de multidões digitais à moda Escorpião Rei, é no mínimo bobeira. Também imaginei que ele fosse morrer humano e encarnar Na'vi, simbolizando espírito e consciência, mas a mensagem do filme é outra, se é que pode se resumir a uma.








Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom, não sei como poderia terminar, apenas sei que poderia terminar melhor. Eu não sou diretor e não ganho milhoes pra poder dar um bom final a um filme como Avatar.

Quanto aos militares não terem poder de fogo, cara, como eu disse, eu teria criado centenas de formas melhores pra se vencer essa guerra e, vamos ser honestos, se tem empresas mercenárias atuando normalmente no mundo hoje, daqui a 100 anos acha que esses mercenários iriam ser apenas seguranças?

Eles são marines mercenarios, deveriam ser bem mais do que foram no filme.

Já disse, a tática deles foi absurda e só a conveniencia de roteiro os salvou... Ou acha que mesmo sem mira automática os marines seriam tão ruins a ponto de errar um alvo do tamanho de um banshee a poucos metros de distancia?O lance das pedras seria a única forma realmente inteligente de se lutar, jogando os inimigos para o solo, para então atacá-los. O que aconteceu no solo foi um massacre facilmente imaginável pra qualquer um com um mínimo de cérebro... Arco e flecha contra metralhadoras?Foi assim que os malditos ingleses arrasaram meus primos zulus... Se os negões morreram assim, por que seria diferente com os na'vi?

Quanto aos dois na'vi com armas de fogo... acha que numa luta envolvendo milhares de pessoas, acha que dois tontos armados com armas de fogo mudariam alguma coisa?







Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vocês já foram bem completos. Minha opinião é um misto de ambos:

- A sensação visual de computação rolando em paralelo com atores de forma tão suave é de cair o queixo. O Cameron vendeu a alma pro diabo pra conseguir isso. Soma-se a isso o 3D e não tenho outro nome pra esse filme que não revolução.

- A fauna, flora e cultura de Pandora dão realmente a sensação de um planejamento acertado. É impossível não se apaixonar pelos Na'vi.

- O enredo é simplista e clichê. É um filme Disney na sua forma mais básica.

Olha-se a carreira do Cameron e dá pra notar que o cara sempre fez filmes muito bom, mas de fórmula simples. Mas ainda assim, a pasteurização do roteiro de Avatar não deixa de apontar uma possível pressão por parte de produtores. Afinal, alguém teve que pagar todos os anos de pesquisa para ele desenvolver a tecnologia do filme.

Esse é o ponto que separou o filme de obra-prima para "apenas" revolução visual engajada.

Nota: 8,5


ps: Quem realmente quiser aproveitar a experiência que o cara criou tem que ver em 3D. E FG, paguei R$7,5 na meia (alguma vantagem tem que haver por não se morar mais no Rio).

ps2: Essa lista dos 50 melhores filmes está numa ordem BEM duvidosa. De qualquer forma, assistam o TOP4 Hurt Locker. Saiu direto em DVD aqui no Brasil mas é um filmaço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bandeira branca. São muitos filmes em poucos dias pra eu ficar fazendo reviews.

Aí segue a lista com as notas e mini-comentários:


- Fale com ela. - É Almodovar. Nota: 9,5.

- Não por Acaso - Nacional. Ótimas interpretações e muito bem dirigido. Mas peca em alguns pontos que alguns poderiam argumentar serem perfeccionismo meu. Nota: 8,5.

- Ano Um - Pô, decepção. Com um elenco (Jack Black encontra a panelinha de Super Bad e outras comédias recentes) e premissa desses achei que veria uma obra-prima. Apesar de engraçado em alguns momentos, parece feito as pressas e sem pretensão. PS: o final alternativo é MUITO melhor. Nota: 5,0.

- RocknRolla - É Guy Ritchie, se o ama, assista, se é indiferente ou não gosta, mantenha distância. É uma pena ver que esse cara não se impõe os mínimos desafios pra fazer algo diferente e melhor. Veremos o que sai de Sherlock Homes. Nota: 5,5.

- Violência Gratuita - Remake com o mesmo diretor. O filme quer chocar, e não esconde isso, pelo contrário, ele grita na sua cara "EU QUERO TE CHOCAR, FILHO DA PUTA!" do título ao fim. Quer vaze-lo pensar no processo, é claro, o que ainda assim não valoriza seu meio e eficiência. É só compará-lo com Laranja Mecânica e isso fica evidente. Menção para a Naomi Watts e alguns detalhes de direção. Nota: 7.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bandeira branca. São muitos filmes em poucos dias pra eu ficar fazendo reviews.

Aí segue a lista com as notas e mini-comentários:


- Fale com ela. - É Almodovar. Nota: 9,5.

- Não por Acaso - Nacional. Ótimas interpretações e muito bem dirigido. Mas peca em alguns pontos que alguns poderiam argumentar serem perfeccionismo meu. Nota: 8,5.

- Ano Um - Pô, decepção. Com um elenco (Jack Black encontra a panelinha de Super Bad e outras comédias recentes) e premissa desses achei que veria uma obra-prima. Apesar de engraçado em alguns momentos, parece feito as pressas e sem pretensão. PS: o final alternativo é MUITO melhor. Nota: 5,0.

- RocknRolla - É Guy Ritchie, se o ama, assista, se é indiferente ou não gosta, mantenha distância. É uma pena ver que esse cara não se impõe os mínimos desafios pra fazer algo diferente e melhor. Veremos o que sai de Sherlock Homes. Nota: 5,5.

- Violência Gratuita - Remake com o mesmo diretor. O filme quer chocar, e não esconde isso, pelo contrário, ele grita na sua cara "EU QUERO TE CHOCAR, FILHO DA PUTA!" do título ao fim. Quer vaze-lo pensar no processo, é claro, o que ainda assim não valoriza seu meio e eficiência. É só compará-lo com Laranja Mecânica e isso fica evidente. Menção para a Naomi Watts e alguns detalhes de direção. Nota: 7.

Vi o trailer do Sherlock e achei bem humorado, quero assistir. Aliás, o Robert Downey é muito bom em me fazer rir, vide Tropical Thunder.

Edit: aqui reviews de Sherlock e Avatar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não vi e não gostei de Sherlock Holmes.

Simplesmente deturparam totalmente a premissa do personagem, que é sério, estudioso e inteligente e não um gigolô que entre uma transa e outra resolve casos escabrosos...

A imebcilização de clássicos continua!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não vi e não gostei de Sherlock Holmes.

Simplesmente deturparam totalmente a premissa do personagem, que é sério, estudioso e inteligente e não um gigolô que entre uma transa e outra resolve casos escabrosos...

A imebcilização de clássicos continua!


Cara, não sou especialista em Sherlock, mas um dos fatos que esse filme tem vendido é que retoma muitas das premissas que o criador original do personagem tinha: especialista em pugilismo, mais ação e mulheres.

Então seu Sherlock paladino só estaria voltando a origem. Hihi...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Arrr...

Só pra constar, vc leu os livros de Sherlock Holmes ou apenas leu o papo do diretor - e acreditou nele?

Acho que foi Batman Eternamente aquele dirigido pelo Joel Schumacher em que o diretor comentava como quem entende do assunto: Bruce Wayne é rico, milionário, tem toda aquela tecnologia fabulosa e combate o crime... Acho que é hora de esquecer esse clima sombrio e ele aproveitar a vida!

Lendo assim, até parece ter lógica o que ele diz, mas... Conhece alguém (entendido do assunto gibis e filmes) que tenha gostado daquela porcaria?

Li poucos (acho que apenas dois) livros do Holmes, mas se vc for na conversa do diretor, sem ter lido a obra, vc vai acabar achando que Batman Forever foi um ótimo filme mal entendido...

Sherlock Holmes não era um "comedor", muito menos um piadista. Ele era sério (no bom sentido da palavra, diferente de chato) e profissional. Não consigo imaginá-lo preso na cama de um motel por uma mulher... Tipo, não tem nada a ver com o personagem, por mais que tentem te fazer achar que tem.

Que tal ler alguns e-books e depois me dar sua opinião?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Só li o papo do diretor e acreditei nele.

Aceito as indicações de livros.

E discordo que olhar um personagem por ângulos diferentes seja necessariamente o que vai tornar o filme ruim.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom, há casos e casos.

Um amigo tinha visto o filme Duna (Frank Herbert, 1984) e achava o filme mais foda do universo. E, realmente, se vc não dormir nas 3 horas de filme, vai achar o filme muito foda, por que tem idéias imaginativas e coisas que vc não encontra em qualquer filme... Como torneiras sanguineas...

Pois bem, um dia eu emprestei o livro pra ele.

E, Duna é Duna, né? O mais famoso livro de Ficção e Fantasia ao lado de Senhor dos Anéis (até hoje não sei qual deles é melhor)...

Depois de ler o livro, ele parou de gostar do filme. Simplesmente o filme é como uma simplificação, infantilização de tudo o que acontece no livro (ainda que seja um dos filmes mais dementes do universo).

Então, se vc nunca leu Sherlock Holmes e ver o filme, poderá ser um filmão. Agora, se vc leu o livro (ou melhor, OS livros) de Sherlock Holmes, entrou no clima e depois for ver esse mesmo filme, ele poderá ser uma merda completa!

E pelo trailer, fizeram o que eu te disse lá em cima... Fizeram um Batman Forever com o Sherlock Holmes. Mesmo que o filme seja legal, vai ser um filme para não-fãs do Sherlock Holmes, por que quem conhece, sabe que não tem nada a ver.

Ah, outro exemplo bem melhor.

Seria o filme Dragon Ball comparado ao anime Dragon Ball. Ou o filme Street Fighter (americano) comparado ao universo do jogo Street Fighter, ou o filme do Mario comparado ao universo do Mario...

Não sei se me fiz entender...

Vai ser algo feito em cima não dos personagens e das histórias, mas em cima apenas do nome e do "sentimento" que ele evoca, adaptado para os anos 2010.

Pessoalmente, desejo do fundo do meu coração que seja um fracasso completo de bilheteria. Cois a que não vai ser, claro... Mas desejar eu posso.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

×